Home / Island of Adventure

Island of Adventure

Dia 09/11 – Terça-Feira – Island of Adventure e mais um pouquinho de Harry Potter


Saindo dali nós passamos na frente de um restaurante chamado Mythos, e tinha uma placa dizendo que era o ganhador do prêmio de melhor restaurante de parques do mundo por 6 anos consecutivos. Bom, achamos que valia a pena conferir. Mas a espera era de meia hora, e eu e o Mauro então fomos com as meninas para o parquinho do Dr. Seuss, e voltamos meia hora depois.


O restaurante é lindo por dentro, e a comida formidável (todos nós pedimos salmão, gente mais sem imaginação…). também pedimos uma salada. Tudo impecável. Realmente valeu a pena, e não era tããão caro. A Rô ficou toda feliz porque a garçonete pediu a identidade dela para entregar o chopp.


Depois do almoço e de roupas trocadas, as meninas ficaram correndo e brincando um pouco pelas ruas do parque, e fomos então para o Camp Jurassic. Eu amei esse parquinho, muito legal mesmo (a Ellerim brincando e eu fazendo academia correndo atrás dela naquelas cordas pra cima e pra baixo).

Depois a gente se separou de novo, porque a Rô foi pegar a fila do Pteranodon Flyers, que tava em 40 minutos (nem pensar…). e nós fomos rir da desgraça alheia do pessoal se ensopando no Jurassic Park River Adventure. Ficamos um tempão só passeando e tirando fotos, nós três. Fomos também no Barco do Popeye (dei um descanso pro Mauro, e fiquei brincando ali com a Ellerim).  Aliás, esse é um lugar excelente para tirar fotos do parque. De cima do barco temos uma vista muito linda de todo o parque, fotos perfeitas.


 Depois de mais ou menos uma hora a mãe chamou no walk talk, e elas estavam ali bem pertinho. Fomos tomar um café, mas a cafeteria estava fechando (às quatro da tarde???). Fomos para o próximo restaurante então, e já tiramos uma foto com a Betty Boop no caminho. Durante o café eu contei o meu “plano maligno” de voltar para o Harry Potter, nem que fosse sozinha… e todo mundo disse: ta bom… Sério? É, ta bom, vamos… puxa, eu já tinha planejado mil e um argumentos e tudo mais, mas foi bem mais fácil do que eu pensava! Então, lá fomos nós de novo para o castelo! A fila era de 20 minutos, porque já eram cinco horas. Que legal, tudo de novo, novos detalhes, muitas coisas que não tinha conseguido ver da primeira vez, e fui duas vezes de novo no simulador, porque voltei com a mãe quando o Mauro ficou com a Ellerim! Que felicidade! Mas agora foi despedida de verdade… O Mauro comprou uma camiseta lindíssima do HP, e fomos embora do parque quando fechou, depois de passar pelas lojinhas, quando já tava escurecendo. Deu uma tristezinha de saudades, um aperto no coração, uma vontade de olhar tudo mais uma vez, tentar gravar tudo na mente…  

Dia 09/11 – HP – Filch’s Emporium, Honeydukes e Zonko’s

Paramos na Filch’s Emporium, que é a lojinha da saída do brinquedo, e o Mauro ficou com a Ellerim lá fora, pra eu poder ver a loja com calma. Fiquei uma meia hora rondando, e encontrei um vestido da Grifinória pra Ellerim (que ela já usou nesse dia mesmo, a coisa mais fofa), e mais algumas coisinhas. Mas fiquei tentada com muitos produtos… varinhas (mas eu já tinha comprado uma do Harry no Brasil), o Mapa do Maroto (peguei e soltei várias vezes, num “levo, não levo, levo, não levo”), a caneca térmica de café, a taça do Torneio Tribuxo Iluminada (por que não trouxe essa???? Aí que ódio…)  e um monte de outras coisinhas. Acho que meu maior arrependimento vai ser não ter trazido o cachecol da Grifinória, que eu tinha procurado por Londres inteira… não trouxe porque aqui é muito quente, e a gente não usa cachecol nem no inverno, mas sei que vou me arrepender… pelo menos comprei camiseta da Grifinória para mim e para a Mirele (minha sobrinha que deu origem ao nome da Ellerim, que é Mirelle ao contrário). Compramos também as fotos do simulador, e me separei da mãe e da Rô. Mas a loja estava lotada, todo mundo se empurrando. Essa é minha reclamação do WWHP, as lojas são minúsculas. Eles TINHAM que ter usado aquele feitiço de expandir, para as lojas serem pequenas por fora, e gigantes por dentro (aquele feitiço que eles usam na barraca do campeonato mundial de quadribol no livro 4). Seria bem melhor, e sem fila (porque é o fim né, ter que pegar fila pra entrar nas lojas). Quando eu saí o Mauro ficou todo chateado porque eu não comprei nada pra ele… tadinho, mas meia hora voa, e não deu pra escolher nada… na saída o Mauro fez eu pedir para tirar foto com dois bruxos que estavam ali, e a mulher, que estava com uma Edwiges na mão, ainda me emprestou a varinha! Bem legal!
Nessa hora tava tendo a apresentação do coral, com os sapos, e assistimos um pouquinho, e então entramos na Honeydukes. Achei legal a decoração e os produtos, mas achei que podia ter bem mais coisas. É que no livro temos a idéia de que podemos encontrar todos os doces possíveis e imagináveis ali, então, fica um pouco de vontade de ver mais coisas inusitadas. Mas os doces do balcão são bem legais, e compramos um bolo de caldeirão e um doce de abóbora.
A Ellerim também comprou umas balas (ela que escolheu e colocou no pacotinho, mas ela só queria os vermes… o pacotinho é um zip loc listradinho rosa claro, escrito Honeydukes, muito fofo) Passeamos um pouco pela Zonko’s, que também é pequena e também não tem muita variedade de produtos (mas daí tudo bem né, porque a Zonko’s não é nenhuma Weasleys’ Wizard Wheezes), mas a decoração é bem fofa.
O Mauro ficou procurando alguma coisa legal, porque ele é muuuuito bom em fazer mágica (ele vive prometendo uma apresentação pro aniversário da Ellerim, quero ver esse ano se ele se anima). Essas duas lojas são juntas, entra-se pela primeira e a saída é pela segunda. Saímos, compramos um suco de abóbora numa barraquinha (arrrgggg) e fomos para o único lugar coberto que tem para sentar, onde tem o relógio da torre, ao lado da Ollivanders.
Comemos ali, e tinha uma barraquinha com produtos variados, e eu comprei 2 tipos de papel de carta com envelope, um deles numa malinha, muito lindos, um show.

Dia 09/11 – Terça-Feira – Harry Potter – O Castelo

O Castelo de Hogwarts

O Castelo de Hogwarts

Eu queria chegar cedo para não correr o risco de ter muita fila, e chegamos às nove. Fomos direto para o Wizarding World of Harry Potter, e a fila estava em 20 minutos. A Ellerim já conhecia o castelo (afinal, tinha ficado com a mãe naquela fila uma hora e meia no outro dia…). Como fã, pra mim a fila faz parte da atração. Muito gostoso ir passando e identificando tudo. Começamos pelas masmorras, e passamos pelo espelho de Ojesed (Erised), a porta da sala de poções e a porta das cozinhas.
O espelho de OJESED
Entrada da Sala de Poções
Entrada das Cozinhas
Depois, chegamos na estufa (sala de Herbologia), e apenas uma parte da fila estava aberta (ainda bem, porque a parte fechada era só fila normal mesmo, aliás, muuuita fila).
Em 15 minutos entramos no castelo e já encontramos os relógios de areia contadores de pontos das casas (claro que a Grifinória estava ganhando!) e a entrada do escritório do Dumbledore, além de algumas estátuas. 
Depois muitos e muitos quadros, vários conversando (inclusive sobre o Hagrid ter perdido um dragão). Muito engraçado. Vemos também os quadros dos fundadores conversando, e o Slytherin falando um monte de absurdos, indignado com o bando de trouxas que está entrando no castelo (falando de nós, claro).
Chegamos então no escritório do Dumbledore, e a Penseira já aparece do lado esquerdo (só vi na segunda vez que fui). O escritório é muito legal, tem vários itens para ver nos armários, quadros e o próprio Dumbledore em holograma. Pena que é uma fila e a gente precisa continuar andando, porque dá vontade de ficar um tempo lá observando, vendo todos os detalhes.
A Penseira
Instrumentos no Escritório de Dumbledore
Depois, passamos pela sala de Defesa contra as Artes das Trevas, e encontramos o Harry, Ron e Hermione (hologramas).
Harry, Ron e Hermione na sala de aula de Defesa contra as Artes das Trevas
Passamos então na frente da mulher gorda, e chegamos na Sala Comunal da Grifinória. Aqui a Ellerim e a Manu foram com a mãe para a sala de espera (que tem uma televisão passando filme… do Harry, claro), e eu, o Mauro e a Rô fomos para o simulador (a entrada tem o teto com as velas flutuando). Foi bem emocionante chegar no brinquedo. É carrinho ininterrupto (daqueles que vão andando e você vai até o lugar na esteira rolante, como o da casa mal assombrada da Disney, mas é suspenso, e prende por cima). E então começa o simulador. É simplesmente inexplicável. Mistura simulador com cenário e efeitos especiais. Voamos por várias passagens importantes dos filmes, voamos ao redor do castelo, passamos pelo Hagrid, fugimos de um dragão, passamos pelas aranhas, somos salvos dos Dementadores pelo Expecto Patronum do Harry, voamos no jogo de quadribol com o Draco, e voltamos para o castelo! É uma ride fenomenal. Eu amei mesmo. Valeu cada minuto de preparação da viagem. Eu me senti muuuito feliz! Saímos do brinquedo e fomos para a sala de espera, e o Mauro ficou com as meninas e eu, a Rô e a mãe voltamos para o brinquedo. Sentei em outro lugar, e achei que foi um pouco diferente, e valeu a pena ter trocado de lugar para ter a experiência diferente… foi muito bom também, mesmo sendo a segunda vez, mas minha mãe tirou um pouco minha concentração, porque ficava conversando sobre um monte de coisas nada a ver, e eu fiquei tentando prestar atenção no brinquedo e ouvindo ela ao mesmo tempo (quem é que bate papo num simulador???? Será que ela não sabe pra que serve um simulador??? Os dementadores ali e ela falando que queria ir no Wal Mart de Kissimmee?!?!?!? Mãe, não pode falar aqui, os dementadores vão dar o beijo na mãe… ai Karen, deixa de ser chata…).  Bom, não é à toa que ela não viu nem o Expecto Patronum do Harry (Que legal o Expecto Patronum  né mãe! Expecto Patronum? Que Expecto Patronum?). Só faltava ela dizer: que dragão? Bom, deixa pra lá… eu saí mais do que satisfeita do castelo.

05/11 – Island of Adventure e um pouquinho de Harry Potter

Fomos direto para o Harry Potter, já eram duas e meia, mas não estávamos preocupados porque teríamos mais um dia para Island. Almoçamos no Three Broomsticks, porque vimos o carrinho da Ellerim estacionado do lado de fora. Tinha fila, mas levou só uns 10 minutos. Pedimos 2 pratos, o que foi um exagero, e uma Cerveja Amanteigada Froozen com caneca souvenir. Eu até gostei, principalmente do começo, mas congelou.

 

 

 
Depois do almoço passeamos por tudo (eu sou muito super hiper mega fã, daquelas que iam à meia noite na livraria no lançamento do livro em inglês, então fiquei curtindo o local). Mas tinha fila em todos os lugares, todas as lojas, e o castelo estava com fila de 90 minutos. Fui ao banheiro e achei muito engraçado ficar ouvindo a Murta que Geme resmungando. Três e meia a mãe, a Rô e as crianças apareceram pra pegar o carrinho, e disseram que ficaram uma hora e meia na fila do castelo, e quando chegou a vez delas a Ellerim não pôde ir (isso não era óbvio?????). Ta, mas então elas devem ter feito a troca de pais né, como no homem aranha… adivinha… elas esqueceram!!!! Ãããã? Ficaram uma hora e meia na fila, deram a volta e foram embora!!!! Não, não é possível… eu ainda tava me indignando quando a mãe olha pra mim e diz, haa… nós compramos duas canecas dessa aí com Cerveja Amanteigada, mas jogamos as canecas fora, muito difícil de carregar… o quê???????? Mas então por que pagaram pela caneca???  Dava para pedir sem caneca, bem mais barato!!! “haa, o homem foi perguntando um monte de coisas e a gente só ia respondendo Yes, Yes”… Não é possível!!!!! Kkkkkk Acho que vou começar a chamar as duas de Didi e Dedé… Bom, dali seguimos para o Jurassic Park Discovery Center, que é muito legal para crianças, e a Ellerim ficou encantada vendo um dinossauro saindo do ovo, é um showzinho bem legal, com um cientista apresentando o animatronic que sai do ovo.  Daí, como estava quase na hora de eu e o Mauro sairmos para ir ver o Jerry Seinfeld, resolvemos ir rapidinho no Jurassic Park River Adventure. Não tinha fila nenhuma, e eu nem desconfiei de nada. Na nossa última viagem eu não fui, porque fiquei com a Ellerim, o Mauro foi, mas era um dia de muita chuva, então, não estávamos preparados para o que viria… eu sentei no primeiro banco, bem do lado esquerdo. Gente, quando vem aquela queda no final, eu não tenho nem como descrever o que aconteceu… era tanta água, mas tanta água, que parecia que eu tinha entrado debaixo de uma cachoeira gelada… eu fiquei uns trinta segundos com os braços pra frente, o cabelo molhado em cima dos olhos, em estado de choque, tentando entender o que tinha acontecido, e o Mauro se matando de rir (não sei se de nervoso ou por achar engraçado mesmo), bom, passado o susto eu fiquei tão nervosa que caí na gargalhada também, mas acho que eu tava tremendo mais do que rindo…
 
Mas eu não tive tempo nem de pensar, porque já eram cinco horas, e o show do Seinfeld começava às sete em Downtown Orlando, e nem tínhamos o endereço, então nos despedimos da Ellerim e Cia, e fomos correndo pro estacionamento (que, ainda bem, era preferencial… não precisamos pagar novamente quando voltamos). Bom, só que é meia hora de caminhada até o carro, e eu toda molhada, tremendo feito vara verde, e o Mauro ainda rindo (acho que ele tava com medo que eu tivesse alguma reação violenta).

05/11 – Island of Adventure e a saga do cofre

Saímos às 8:45h do hotel, mas não conseguimos entender o que queria dizer o “mantenha-se à direita” do GPS (era apenas pra ir reto, não entrar à esquerda), e acabamos entrando à direita embaixo do viaduto da Sand Lake Road, e acabamos entrando na 4… como os retornos são do outros lado do mundo, acabamos demorando um pouquinho para chegar no parque. Pagamos o estacionamento preferencial por $ 20,00, porque o parque parecia bem cheio. A gente estava no clima de Miami, e tava todo mundo de bermuda… gente, vocês não têm noção do frio que tava… a gente realmente quase congelou! E o que é aquele caminho do estacionamento até o parque, com vento encanado!!! Credo, gelou os ossos… Tentamos comprar alguma coisa, mas a gente achava que perto do meio dia iria esquentar, e ficamos naquela “compra, não compra” mas a espera foi em vão. Bom, quando a gente está desconfortável nada funciona direito né… mas fomos andando mesmo assim.
O primeiro brinquedo foi o homem aranha, que é simplesmente demais. Minha mãe ficou com a Ellerim para eu ir com o Mauro e depois eu fui com ela no “parents trap”, e assim foi durante toda a viagem em todos os brinquedos que a Ellerim não podia ir (nada mal pra mim né, sempre 2 vezes no brinquedos rsrsrsrs, e dava pra ir mais 2 pessoas com quem ficou esperando, então ou a Rô ou a Manu também iam mais uma vez). Pegamos fila de 20 minutos no Cat in The Hat, e depois tiramos fotos com os personagens (a Ellerim ficou bem desconfiada daqueles personagens). Enquanto a mãe, a Rô e as crianças foram no trenzinho, eu e o Mauro fomos tomar um café no restaurante ali mesmo.
Depois, quando elas voltaram, demos uma parada no parquinho infantil pras meninas brincarem um pouco, quando o Mauro vira pra mim e pergunta: “Você trancou o cofre?” Como assim???? O cofre sempre é departamento do Mauro, e a gente deixou todo o dinheiro lá, além dos passaportes antigos com visto e uma jóia que o Mauro comprou pra mim. Bom, parece que o Mauro deixou o cofre não só aberto como escancarado… não, deve ser impressão… “Não Karen, tenho certeza que esqueci de fechar”… pode isso???  Mas nem fiquei muito preocupada, tinha certeza de que ninguém iria mexer… mas minha mãe começou a me deixar quase louca, e disse que a gente tinha que voltar no hotel. Bom, achei mais fácil voltar do que ficar discutindo, então a mãe ficou com a Ellerim e um walk talk, e eu e o Mauro fomos para o Hotel, que era bem pertinho. O que não era pertinho era o estacionamento. Nossa, como é longe chegar do parque até o carro. Mas o dia estava simplesmente LINDO, o maior céu azul, e foi um passeio muito gostoso, que parque LINDO, e na saída já compramos um sapo de chocolate e feijõezinhos de todos os sabores (que felicidade isso). Chegamos no hotel e o quarto já tinha sido limpo, e lá estava o cofre abertão mesmo! Mas estava tudo dentro certinho. Mais aliviados experimentamos o sapo de chocolate, que é gostoso, mas muuuito grande, e maciço. Experimentamos também os feijõezinhos, e o Mauro pegou logo de cara um de vômito rsrsrsrsr coitado, ficou traumatizado!  Eu peguei de grama (estranho), e de sujeira (aarrrrggggg, gosto de mofo), e alguns gostosos também.
Aproveitei para colocar calça e pegar casaco (ufa), e logo voltamos pro parque. Incrível, mas essa paradinha de 10 minutos no hotel levou 2 horas! Nossa, como o tempo lá parece que voa!
Top