Home / Viagem

Viagem

Blogagem Coletiva – As Viagens da Nossa Infância !

slides familia0059

Para comemorar o dia da criança no Grupo Viagens em Família no Facebook preparou uma blogagem coletiva super especial! As viagens da nossa infância!

Eu acho que a paixão por viagens é algo que pode vir do berço, passada de geração a geração. Meus avós, dois dois lados, eram pioneiros. Vô Cabral era embarcado da marinha mercante, e sua esposa, Vó Mariquinha, viajava por todo Brasil com seu grupo de amigas. Vô Schubert morou nos mais remotos cantos do Brasil, com os filhos e sua esposa, Vó Angélica.

Vô Schubert e Vó Angélica com os filhos, meu pai com a máquina fotográfica na frente... ele nunca largou a máquina até seus últimos dias de vida!

Vó Angélica  meu pai seu único filho, e meus tios, filhos apenas do Vô Schubert. Meu pai é o pequeno com a máquina fotográfica pendurada… ele nunca largou a máquina até seus últimos dias de vida!

E meus pais seguiram o mesmo caminho. Minha mãe aprendeu a dirigir com o Vô Cabral em plena BR 101, e meu pai não tirava o pé da estrada.

Quando éramos crianças, eles não precisávam de motivos para viajar. Todos os finais de semana era um destino diferente. E não estou exagerando… eles nunca passavam o final de semana em casa! Então, eu viajei ainda criança por toda Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Viajávamos muito para São Paulo também.

slides familia0032

A praia era um destino constante, mas passeávamos por todos os lugares. Já andei de avião cedo, muito pequena, embora só lembre bem da primeira viagem para o Rio de Janeiro, aos 8 anos, que foi deslumbrante. E. claro, a primeira viagem para a Disney, aos 11 anos em 1984.

Neste vídeo eu na praia com meu Pai, com quase 3 anos, com direito a videocassetada no final:

E para relembrar estes maravilhosos momentos da infância, nada melhor do que muitas fotos!!!

slides familia0034

Mesmo na época de poucos recursos, o fuscão era o companheiro de todas as viagens

slides familia0039

Sempre apaixonada pela praia…

slides familia0041

Pai, Mãe e Séfora

slides familia0042

slides familia0045

Praia, praia e mais praia… apaixonada para sempre!

slides familia0046

Com Séfora

slides familia0051

Balneário Camboriú

slides familia0066

Dunas

slides familia0070

Com Mãe e Tio Ito

slides familia0081

Viajando para visitar o Vô Cabral… na praia!

slides familia0082

Com Pai e Séfora

slides familia0115

Séfora

slides familia0150

slides familia0154

Pai e Séfora

slides familia0163

Séfora no Zoológico de Pomerode

slides familia0166

Pai e Séfora

slides familia0180

Mãe e Séfora

slides familia0190

Séfora e eu

slides familia0200

Mãe, Séfora e eu

slides familia0214

Definitivamente uma infância feliz!

slides familia0216

Séfora e eu

slides familia0218

Mãe, Séfora e eu no Zoológico de Pomerode

Todas estas viagens moldaram nosso caráter e nosso destino. Meu pai sempre nos dizia que ele poderia nos dar uma casa, um carro, ou qualquer outra coisa que alguém um dia poderia tirar de nós. Mas as nossas viagens, estas sim ficariam para sempre!

E nossas viagens continuam...

E nossas viagens continuam…

 

Confira as blogagens coletivas do grupo Viagens em Família:

1. Claudia Rodrigues Pegoraro – Felipe, o Pequeno Viajante

http://felipeopequenoviajante.blogspot.com.br/2013/10/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa.html#more

2. Karen Schubert Reimer – As Aventuras da Ellerim Viajante

http://ellerimviajante.com.br/2013/10/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa-infancia.html

3. Francine Agnoletto – Viagens que Sonhamos

http://viagensquesonhamos.blogspot.com.br/2013/10/as-viagens-da-minha-infancia.html

4. Thyl Guerra – Viajando com Palavras

http://viajandocompalavras.com/2013/10/12/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa-infancia/

5. Marcia Tanikawa-Os Caminhantes

http://oscaminhantes.com/2013/10/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa-infancia.html

6. Adriana Pasello – Diário de Viagem

 http://www.diariodeviagem.com/photo/blogagem-coletiva-viajava-crianca/

7. Sut-Mie Guibert – Viajando com Pimpolhos

http://viajandocompimpolhos.com/2013/10/12/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa-infancia/

8. Andrea Barros – Do RS Para o Mundo

http://dorsparaomundo.blogspot.com.br/2013/10/3-blogagem-coletiva-as-viagens-da-minha.html

9. Andreza Trivillin – Andreza Dica e Indica Disney

http://www.andrezadicaeindicadisney.com.br/2013/10/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa.html

10. Patricia Papp – Coisas de Mãe

http://coisasdemae.wordpress.com/2013/10/12/blogagem-coletiva-viagens-na-infancia/ 

 11. Camila de Sá Marquim – Na Viagem com Camila

http://naviagemcomcamila.wordpress.com/2013/10/12/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa-infancia/

12. Débora Segnini – Gosto e Pronto

http://www.gostoepronto.com/2013/10/blogagem-coletiva-viagens-infancia/

13. Débora Galizia – Viajando em Família

http://viajandoemfamilia.com.br/blogagem-coletiva-as-viagens-da-minha-infancia-a-riqueza-da-simplicidade/

14. Aryele Herrera – Casa da Atzinhttp://casadaatzin.wordpress.com/2013/10/13/blogagem-coletiva-as-viagens-de-nossa-infancia/

15- Andréia Mannarino – Mistura Nada Básica

http://misturanadabasica.blogspot.com.br/2013/10/3a-blogagem-coletiva-as-viagens-da.html

16- Tatiana Dornelles – Destino Mundo Afora

http://destinomundoafora.blogspot.com.br/2013/10/blogagem-coletiva-as-viagens-da-nossa.html

Nossa família e a Disney

Eu e meu pai, Samuel, no Epcot em 1984

Quando a gente entra no Magic Kingdom no início do dia eles dizem:
WELCOME TO THE HAPPIEST PLACE ON EARTH! 
Eu realmente acredito nisso, pra mim a Disney é o lugar mais feliz do mundo! É uma paixão familiar.
Meus pais foram pra Disneylândia ainda jovens, quando meu pai ganhou dois cursos na Universidade da Califórnia. Foi paixão imediata, e meu pai disse que um dia levaria a gente.
Quando fiz 11 anos, em fevereiro/84, meu pai fez camisetas personalizadas com nossos nomes, e lá fomos nós pra Disney, eu, meu pai, minha mãe e minha irmã, que tinha 15 anos. Foi a viagem mais incrível do mundo!
A partir daí a Disney virou a grande paixão da minha vida, e de toda a nossa família. Tanto que, quando meu pai tinha 45 anos e estava em estado terminal de câncer, resolvemos levá-lo para Disney, para passar seus últimos dias no lugar que mais amava, ao invés de ficar num hospital… foi muito triste… vê-lo naquelas cadeiras de rodas em frente à árvore de natal do MK. Acabamos jogando fora as fotos dessa viagem.
Mas pelo menos ele visitou a Disney uma última vez, e me jurou que eu ainda voltaria muitas vezes. Ele faleceu poucos dias depois do retorno.
Um dia antes de falecer ele chamou eu e minha irmã para conversar, e nos disse que a única coisa que estava levando com ele eram as nossas viagens.

Como prometido, depois dessa viagem, nós três fizemos muitas outras. E os filhos vieram (primeiro o Fábio em 1993, depois a Mirele em 1996, filhos da Séfora, e por último a Ellerim, em 2007), e também são todos apaixonados pela Disney!

Sempre que me perguntam se eu não enjôo, eu percebo mais ainda que não vou enjoar nunca.
Em cada viagem fazemos programas diferentes, conhecemos lugares novos, e sempre nos divertimos muito.
Vai ser sempre um lugar de muita emoção para nossa família.
Última viagem com o pai antes do diagnóstico – eu que tirei esta foto
(2 meses depois desta viagem recebemos a notícia, ele estava com 44 anos, em outubro de 1991) 
Ele não chegou a conhecer nenhum dos netos 
(minha irmã estava grávida de 5 meses do Fábio quando ele faleceu em janeiro de 1993)
Mas todos os netos conhecem bem a sua história, e o seu amor por nós,
e esta é uma foto muito especial, que eu sempre mostro para Ellerim e os primos.

Séfora com 15 anos e nosso pai, primeira viagem em 1984 

Experiência fantástica alimentando as arraias pela primeira vez, em 1984, no meu aniversário de 11 anos

Séfora, eu com 14 anos e o amigo Oni Júnior, em 1987, nesta época os personagens passeavam pelo parque!

Também em 1987, aniversário de 15 anos do WDW! Neste ano o castelo estava coberto como um bolo de aniversário!

Pai e Mãe no Epcot, em 1990, um ano antes da doença

Eu, meu sobrinho Fábio em sua 2ª viagem, minha sobrinha Mirele (nossa afilhada que deu o nome da Ellerim, que é Mirele ao contrário) em sua 1ª viagem, minha irmã Séfora e nossa mãe Mari! Esta foi nossa 3ª viagem sem nosso pai, em 1997.

Num momento difícil da vida, o Fábio, então com 8 anos, foi meu grande companheiro, 20 dias só nós dois pelos EUA, em 2002, um mês antes de começar a namorar com o Mauro

Hard Rock Café, mais uma paixão familiar!

Fábio, primeiro neto (hoje trancou o 3º ano ano de engenharia no IME para estudar na inovadora École 42 em Paris), apaixonado pela Disney desde sempre!

Slingshot em Kissimmee, maior loucura que já fizemos! Recomendo para quem é muito, mas muito radical!

Ellerim em sua 1ª Viagem, com 1 ano, ainda aprendendo a andar, em 2008!

Meu pai Samuel, que junto com minha mãe Mari nos ensinou a paixão por viagens e pela vida!

Nosso maior Magical Moment na Disney:
Nosso grande prêmio! Foto da Ellerim na propaganda da Disney em 2011, 2012, 2013 e 2014!
Clique aqui para ler a história!
E de surpresa ainda ganhamos 15 litografias de edição limitada
como presente para ceder a foto para a campanha.

Dia 23/11/2010 (Terça-Feira) – Viagem Miami – Brasil!


Então, finalmente chegou nosso último dia. A mãe, a Rô e a Manu saíram mais cedo, pois o vôo delas era depois do almoço. E nós conseguimos um late checkout grátis, até às cinco da tarde! Melhor impossível. 

Saímos para uma última passadinha na Ross e na Marshalls (é incrível que mesmo após 20 dias de compras desvairadas a gente ainda tenha mais alguma coisa para comprar). 


Quando saímos da Ross, seguimos pela Flagger Street até a Macys. A sessão de vestidos infantis estava uma verdadeira loucura. Um vestido mais lindo que outro, tudo no preço de US$ 25 a US$ 40 no máximo. A Ellerim escolheu sozinha o dela, um muito lindo da Hello Kitty, que era o tema da festa, e saiu por US$ 26,99. Só mais tarde descobri que não é sempre que tem tantos vestidos assim. Em abril estivemos na mesma loja, e não tinha praticamente nada. Fiquei então sabendo que isso é sazonal. Então, se você encontrar vestidos lindos para sua filha, compre na hora, não deixe para comprar em outra viagem! 


Voltando da Macys, em sentido para o hotel, passamos numa lojinha da Sanrio, com produtos originais! É bem pequenininha, e fica do mesmo lado da rua que a Macys. Já compramos uns bonequinhos da Hello Kitty para Ellerim. 


Continuamos na Flagger, e quase no início da rua (em frente à Walgreens) vimos um restaurante na calçada, chamado Trë (www.tremiami.com) e resolvemos experimentar, sem muita expectativa. 


Foi uma grata surpresa. Adoramos este restaurante, comida excelente, preço honesto. Voltamos na viagem seguinte! 


Demos uma última passada no Bayside para nos despedirmos e seguimos para o hotel.  A Ellerim ficou super feliz com a mochila nova!



Depois de nos arrumarmos e carregarmos o restante do carro, seguimos com tranquilidade até o aeroporto, mesmo pegando bastante trânsito (quem vai para o aeroporto nos horários de rush deve sempre sair meia hora mais cedo que o necessário por causa do congestionamento). 

Mas o aeroporto é próximo do centro. Com todo o congestionamento levamos cerca de 45 minutos. A devolução do carro foi bem fácil (por isso gosto da Álamo), e todo o restante também foi tranquilo.  Difícil foi carregar as 7 malinhas básicas e convencer a Ellerim que ela não podia ir no carrinho porque não tinha ninguém para carregar!


De novo a Ellerim dormiu o vôo inteiro, com a cabeça no colo do Mauro e os pés no meu colo (e nós não dormimos nada, claro). 

Quando chegamos no Brasil aconteceu uma coisa que parece mentira contando! No Dutty Free o Mauro foi procurar um óculos Oakley que ele queria (deixou de comprar na Macys de Orlando porque eu não tava junto, e depois na de Miami tava $ 40 mais caro e ele não quis comprar). Ele viu o óculos, e estava mais caro ainda que Miami, $ 280. 

Ele saiu da loja e me chamou pra ver os óculos (eu estava fora com a Ellerim), mas ele não encontrou mais o óculos no expositor. Ele chamou o vendedor, e descobriram que um cara tinha acabado de pegar, e já estava no balcão para pagar. 

O Mauro então pediu ao vendedor se ele podia pegar o óculos com esse cliente só para me mostrar, e  pra ver a referência para ver se tinha outro na loja. Na hora que o vendedor veio, o óculos era o que o Mauro tinha visto, mas a etiqueta tinha o preço de $ 140. 

O Mauro ficou sem entender “tenho certeza que era mais caro, eu vi a etiqueta, tenho certeza que não me confundi”. O próprio vendedor ficou meio sem saber o que dizer, porque não lembrava o preço, mas achou estranho o nome do óculos, que ele achava que era diferente. 

Ele então anotou o nome e referência do óculos num papel pro Mauro, para ele procurar em uma outra viagem, já que não tinha mais nenhum na loja, e devolveu o óculos para o cliente que estava comprando. 

Quando chegamos em casa o Mauro entrou no site do Dutty Free, e colocou o código que o vendedor anotou, mas apareceu outro óculos completamente diferente, da Calvin Klein, por $ 140! 

Gente, eu acho que aquele cara trocou as etiquetas do óculos! Só pode ser, porque 15 minutos antes o Mauro viu o mesmo óculos com a etiqueta de $ 280!!! A gente até percebeu que o cara tava um pouco incomodado quando o vendedor pediu para ver o óculos… que horror! 

Bom, saímos da área de desembarque e passamos no verde, e fomos para o balcão da Gol, para pegar nossa conexão. Ali já encontramos de cara a mãe, a Rô e a Manu. 

E assim terminou nossa viagem (depois de mais um vôo de 1 horas, e mais uma viagem de carro de uma hora e meia, e finalmente chegamos em casa para abrir as malas!!!). 

Fim! 


Dia 22/11/2010 (Segunda-Feira) – Viagem Orlando Miami, Miami Heat e Bay Side.

Este dia era completamente sem compromisso, fora a viagem para Miami, claro. E mesmo para a viagem não tínhamos compromisso com horário. 
Tomamos café e almoçamos no Pop, para usar os últimos créditos do nosso maravilho Free Quick Service Dining Plan. Mesmo assim, sobraram umas três refeições e 26 snacks. As refeições conseguimos trocar cada uma por 3 sobremesas. O problema é que não tem quase nada que serve de sobremesa e que dá para levar. Acabamos pegando algumas bananas para a Ellerim, garrafinhas de água e potinhos de Froot Loops. Os Snacks que foram uma maravilha. Trocamos por pacotes de bala do pateta, que custavam US$ 3,95 cada. 
Colocar as malas no carro foi uma novela. Teve uma hora que eu achei que seria eu ou elas… mas o Mauro sempre consegue dar um jeito, pra ele é como um quebra-cabeças. 
Ele também ajudou a mãe e a Rô a ajeitarem um pouco o carro. A Rô tinha uma mala enorme da Sansonite, daquelas duras, e ocupava um lugar enorme no carro. A mãe reclamou com ela a viagem inteira por causa do tamanho da mala, e porque era uma mala antiga, e que ninguém mais usava aquele modelo. Mas a Rô disse que era uma mala nova, que o irmão dela tinha acabado de trazer de Londres. Eu até achei estranho, porque parecia mesmo uma mala de modelo antigo. Quando voltamos para o Brasil, uma das primeiras coisas que minha mãe fez foi perguntar para o irmão da Rô por que ele tinha comprado uma mala daquelas, pesada e enorme, difícil de carregar, e ele disse que não tinha comprado! A mala nova dele foi roubada em Londres, e ele tinha conseguido aquela mala velha com uma senhora de 90 anos! Kkkkkkkkkkkkk a gente quase morreu de rir da Rô, coitada! Se ela soubesse teria deixado por lá mesmo a mala. Bom, pelo menos coube tudo nos dois carros, mas daquele jeito bem brasileiro, totalmente lotado. 
Seguimos para Miami, e nos perdemos só uma vez (dificuldade de interpretar o GPS). Então, quando a gente estava no meio da viagem, a Ellerim começou a pedir para ir ao banheiro, e faltavam umas 15 milhas para a próxima Rest Stop. Eu perguntei para a mãe pelo walk talk (pegava de uma carro para o outro) o que ela achava de pararmos no acostamento, mas ela disse que não era uma boa idéia, porque a polícia apareceria logo em seguida. Olha, foi um desespero. Simplesmente não tinha o que fazer, e ela desesperada, e a gente não chegava nunca, foi horrível. Depois disso eu decidi que sempre vou levar uma fralda quando fizer esse tipo de viagem nos EUA, para não ter que passar por isso. 
O resto da viagem foi bem tranquila. Chegamos em Miami perto das cinco horas, e fomos direto para o Hotel, o mesmo da chagada, Holiday Inn Port of Miami. Eu adorei esse hotel, e achei a localização fenomenal. Fica bem em frente ao Bayside, pertinho da AA Arena onde acontecem os jogos e shows, e fica muito perto da principal rua de compras de Miami. 
O Mauro ficou super feliz, porque chegamos a tempo de pegar o jogo do Miami Heat, na American Airlines Arena. Como o estacionamento do hotel é fechado e com guarda, tiramos do carro só a mala meio vazia, que tinha as roupas separadas para usarmos em Miami e na viagem, e todas as roupas velhas que deixaríamos lá. O clima em Miami estava bem mais quente que em Orlando. 
Fomos todos para o Bayside. A mãe, a Rô e a Manu ficaram ali, e nós três seguimos o fluxo de centenas de pessoas até a AA Arena, para tentar comprar um ingresso para o jogo. 
Conseguimos ingressos na bilheteria por US$ 28. Super baratos. Mas os lugares eram lá onde o gato perdeu as meias.Tinha bastante fila para entrar por causa da revista das bolsas, e logo que entramos na fila um funcionário nos chamou para passarmos pelo lado por causa da Ellerim, que estava no carrinho. Então a gente teve que deixar o carrinho da Ellerim no guarda-volumes, porque não pode entrar com carrinho. 

Depois fomos no restaurante do segundo andar e compramos dois cachorros quentes, uma  Bud Ligth e uma Coca Cola no copo souvenir (custa US$ 6). 

Daí a gente subiu, subiu, subiu e subiu mais um pouco para chegar nos lugares. Nossa, é muito alto, ficamos mais alto que o telão! Chega a ser até engraçado. Mas o mais incrível é que mesmo dali dava para ver o jogo perfeitamente. Eu nunca tinha ficado tão alto, e achava que deveria ser péssima a vista. Mas não é não, até que dá para ver bem. Só que a arquibancada é muito íngreme, dá medo de cair.

O jogo já tinha começado, e fiquei feliz de ver que o DJ do Heat é bem mais legal que o do Orlando Magic (o do Orlando é muito paradão). Nesse jogo eu tirei todas as minhas dúvidas de que o Mauro é mesmo o maior pé frio. Além de o Miami Heat perder, o LeBron James não jogou nada! Foi o maior fiasco.

No terceiro quarto eu saí com a Ellerim, porque tinha combinado de jantar com a mãe e a Rô (e porque a Ellerim já estava inquieta, e começou a querer pular por ali e eu já imaginei ela voando lá pra baixo). O Mauro ficou, e nós duas voltamos para o Bayside. Chamei pelo Walk Talk, e as três estavam já no Hard Rock Café. Ficamos por lá um pouco, e depois fomos passear pelo Bay Side, que está bem bonito. Compramos mochilas para a Ellerim e a Manu. Por incrível que pareça eram mochilas feitas no Brasil, mas que lá custavam bem menos! É uma mochila de um material mais firme, e lavável, que tem em vários formatos como carro de fórmula 1 e bonecas. Além de ter saído um pouco mais barato do que no Brasil, ainda veio com a lancheira junto (saiu US$ 80 com taxas). Depois, fomos tomar um sorvete num restaurante que fica bem de frente para os barcos, e ficamos por ali aproveitando nossa última noite, sentadas em sofás bem confortáveis. Foi ali que o Mauro nos encontrou mais tarde, para voltarmos para o Hotel, para nossa última noite nos EUA. Na noite seguinte embarcaríamos para o Brasil.  

04/11/2010 – Viagem Miami – Orlando

9:00h saímos do hotel e fomos tomar café no Starbucks (tem coisa melhor ???)  Caminhando de volta para fazer o passeio de barco a gente deparou com a Marshall’s… ah, assim não vale né, é provocação… tá, só uma olhadinha… que termina de novo em carrinho cheio (mais vestidos da Calvin Klein, uma jaqueta de couro da Levis por $ 50,00, pequenos poneys mini por $ 2,99,  perfume Giorgio por $25,00, e vários guardanapos e cartões liiiiiindos)! Depois de mais uma volta pelo Bay Side, acabamos saindo de Miami só à uma da tarde. O GPS mandou a gente ir pela Turnpike. Depois de um tempo viajando ainda não tínhamos visto nenhum Rest Stop, e resolvemos sair em Boyton Beach para almoçar, e a primeira coisa que vimos foi uma Target gigante. Paramos ali para almoçar, e tinha lanchonete com pizza individual da Pizza Hut, macarrão e sanduíches, e estava bem gostoso. A Ellerim começou ali a jornada de nuggets+cenourinha+batata frita que durou a viagem inteira.  Resolvemos dar uma voltinha pela loja, que era muuuuuuito boa! Já comprei um monte de maquiagem. Saímos de lá já eram quatro e meia, e paramos às seis e meia numa Rest Stop pra ir ao banheiro.

Nossa Viagem para Disney! Duas mães, um pai, uma avó e duas filhas!!!

ellerim na disney2
Este Diário de bordo deu início às Aventuras da Ellerim Viajante, em janeiro de 2011! Nossa primeira viagem inteiramente compartilhada com nossos leitores. Espero que vocês se divirtam nos acompanhando!

Read More »

Top