Home / Magic Kingdom

Magic Kingdom

E-Book GRÁTIS – MAGIC KINGDOM: Um Guia Diferente dos Parques da Disney em PDF!

1

Aproveite nossos Guias dos Parque da Disney em E-Book GRÁTIS e prontos para imprimir. Iniciamos com o Parque Epcot, e agora você recebe o Guia do Magic Kingdom, o mais mágico dos parques! Os guias são totalmente diferentes, com opiniões pessoais, dicas indispensáveis, muitas fotos e gostosos de ler. Aqui você pode baixar o Um Guia Diferente dos Parques – Magic Kingdom em PDF (CLICANDO AQUI!!!!), e também ver o guia completo continuando a ler abaixo, em JPG.

BAIXE TAMBÉM NOSSO GUIA DE ORLANDO CLICANDO AQUI OU NA IMAGEM ABAIXO

VEJA TODOS OS NOSSOS EBOOKS GRÁTIS CLICANDO AQUI!

Read More »

5 Melhores Lugares para Assistir o Show de Fogos Wishes, no Magic Kingdom!

 

5 MELHORES LUGARESPARA ASSISTIR WISHES (1)

Aproveite estas dicas e descubra os melhores lugares para assistir o lindo show de encerramento do Magic Kingdom, o Wishes Nighttime Spectacular!

PARA MAIS DICAS DO MAGIC KINGDOM CLIQUE AQUI

Palácio de Cristal – The Crystal Palace no Magic Kingdom, e a Turminha do Ursinho Pooh!

Este é um dos meus restaurantes preferidos de refeições com personagens para crianças pequenas!

O restaurante é lindo, a comida é ótima (buffet) e a companhia do Ursinho Pooh e seus amigos do Bosque dos Cem Acres é perfeita!
00

Read More »

Um dia em Dois Parques da Disney!!!

Amei este vídeo original da Disney, mostrando um dia em dois dos seus mais famosos parques, Magic Kingdom e Disneyland! Para matar as saudades!!!

Dia 21/11/2010 (Domingo) – Magic Kigndom Horas Mágicas

Gente, não acredito… mas realmente chegou nosso último dia de Disney. Já passava da metade da tarde quando nos preparamos para pegar o ônibus para o nosso último dia de Magic Kingdom e de Disney, com um misto de emoções. Tudo parece diferente nesse dia, pois não temos mais a euforia da chegada e da descoberta. Todos nós falamos menos, ficamos só contemplando esse mundo maravilhoso que o Walt criou para nós.  Ficamos passeando pelo parque completamente lotado, a Ellerim feliz da vida brincando com o balão que voltou para ela. Fomos então para o Buzz Lightyear´s Space Ranger Spin, que a Ellerim queria voltar. Esse brinquedo é sempre divertido. 

Eu queria ir uma vez pelo menos no Tomorrowland Transit Authority PeopleMover, e como o Mauro e a Ellerim também gostam desse “passeio” acabamos indo quatro vezes seguidas! A Ellerim gostava inclusive da parte de subir e descer a esteira rolante, e estava convencida de que o brinquedo era uma montanha russa (o bom é que ela também se convenceu de que gosta de montanha russa depois desse brinquedo!). Jantamos no Cosmic Ray’s Starlight Café, ali embaixo do brinquedo. Mas eu acho que ele é um pouco triste para de noite, ainda mais em clima de despedida… é um restaurante melhor para o almoço. 

Dali, fomos procurar um lugar para assistir A Parada Elétrica. Era dia de Horas Mágicas e de Main Street Electrical Parade, que veio por um tempo substituir a SpectroMagic. Mas é bom lembrar que a SpectroMagic veio para o Magic Kingdom substituir exatamente a  Main Street Electrical Parade. Bom, eu assisti essa parada a primeira vez aos onze anos, e a última aos dezoito, então, já fazia quase 20 anos que não assistia. A Main Street estava intransitável, uma loucura. Eu já estava quase desistindo de assistir quando formos para a Frontierland. A parada já tinha começado na Main Street, e a Frontierland também já estava lotada. Mas vieram uns cast members e fecharam um caminho com uma corda, e o lugar onde antes era o caminho e estava vazio virou lugar para assistir a parada, e isso bem quando a gente iria passar por ali. Já aproveitamos e sentamos no chão, bem na pontinha da corda, e foi uma sorte. A parada é muito bonita, exatamente como eu imaginava. Mas gente, sou obrigada a dizer… aquela musiquinha dindoindoiiinhoinindindindindoinnhoinnhoinnhoin me deixa louca depois de cinco minutos! Rsrsrsrsrs ô musiquinha chatinha. Mas foi legal, porque o Mauro e a Ellerim nunca tinham assistido. Agora posso ficar mais 20 anos sem ver de novo rsrsrsrsrs. Eu só não lembrava da águia no final, que é realmente linda. 

Depois da parada, já estava quase na hora do Wishes, e uma boa parte da Fantasyland estava fechada pra isso. Resolvemos assistir o show de um lugar diferente, e ficamos bem entre a Branca de Neve e o Pooh, no caminho que vai para o Carrossel. Fazia tempo que não assistia o Wishes de outro lugar. O show todo é feito para ser assistido de frente para o castelo. Mas eu achei uma experiência bem legal assistir desse lugar. Dá para ver bem os fogos, mas de uma perspectiva diferente. Acho que é uma boa opção para quem já assistiu o show de frente para o castelo na mesma viagem. Nessa hora o parque começou a esvaziar, mas nós tínhamos horas mágicas. Ficamos na Fantasyland para ir no It’s A Small World, que é um dos brinquedos favoritos da Ellerim, e ela queria muito voltar, e fizemos mais alguns brinquedos por ali. Mas já estava muito tarde, pois as horas mágicas nesse dia começaram às onze da noite. 

Então, era hora de se despedir. Fomos passeando para a saída do parque, aproveitando para dar uma última olhada em tudo. Tiramos fotos na frente dos castelo, com a nossa máquina e com o Photopass. Por último, nos despedimos do parque e desse mundo de sonhos, desejando poder voltar muitas e muitas vezes. 

Dia 18/11/2010 (Quinta-feira) – Magic Kingdom, Polynesian e Boardwalk


O dia começou cedo! 
De novo a Ellerim acordou contrariada, também, sete da manhã! Mas era por uma boa causa. Saímos cedo para chegar no Magic Kingdom antes das oito, e pegar o parque abrindo para as Magic Hours. 

Ainda bem que a gente tinha um monte de besteiras pra comer no quarto (bolachinhas, dunuts e sucrilhos), e só passamos no restaurante do hotel para encher a Mug de café, e fomos direto para a fila do ônibus. Olha, ninguém acredita em mim, mas por mais perto do parque que seja o hotel, a gente leva meia hora para chegar na entrada do parque… é um tal de entra no carro, guarda carrinho, coloca na cadeirinha, pega fila do estacionamento, estaciona na fileira que eles mandam (que às vezes é longe pra dedéu), espera outra fila para o trenzinho, pega mais uma para o monorail… afeee…. não chega nunca! Por isso resolvemos ir de ônibus, e no final deu super certo. 

O ônibus chegou logo, e paramos bem na frente do parque, e ainda não eram oito horas. Mas nessa hora eu não sabia nada ainda à respeito da contagem regressiva. Só queria mesmo chegar cedo. Então, imagina a minha surpresa quando apareceu o Prefeito na frente da estação, dando as boas vindas a todos, e anunciando a chegada do trem junto com uns bailarinos dançando (aqueles que dançam na Main Street). Logo em seguida veio o trenzinho com o Mickey, o Pluto, a Margarida, a Mary Poppings, a Branca de Neve, a Alice e o Stitch. Que fofooooooo!!!!! E todos fazem juntos a contagem regressiva para abertura do parque, com uma música de fundo. Sabe, não é nada de mais, nenhum show espetacular, mas é uma maneira maravilhosa de começar o dia. E sendo surpresa então, sem nenhuma expectativa, ficou melhor ainda. Eu fiquei suuuuper emocionada. 

                                
                                

Pena que a mãe tava tão agoniada pra entrar logo no parque (acho que ela nem viu a contagem) e a Ellerim ainda apagadinha com sono. Mas eu fiquei eufórica e feliz, feliz, feliz. 

Chegar cedo no parque é tudo de bom, é outro clima, e a gente consegue fazer tudo sem fila. E receber as boas vindas é muito legal também. 

Assim que entramos já tinha um carro daqueles antigos, de dois andares, parado bem na frente da estação, e a motorista era uma simpatia. Entramos já no carro e fomos para o segundo andar, para passear pela Main Street ainda vazia. E então, a maior surpresa, aquele quarteto de vozes que usa colete listrado se pendurou na escada do carro e foi o caminho inteiro cantando! Gente, que demais isso! Pena que a única bem humorada nessa hora era eu, mas achei simplesmente fantástico. Chegamos na frente do castelo e já tiramos fotos com a motorista e os cantores, e os cinco entraram no carro e foram embora abanando. 


A mãe foi passear um pouco sozinha, porque ela adora ficar só passeando e curtindo o local, e no final pra acompanhar a gente ela acabava só fazendo coisas de criança, então resolveu ficar sozinha um pouco. 

Nessa hora acho que a Ellerim finalmente acordou, e pediu, pediu, pediu “por favoooooorrrrr” pra gente voltar para a praça para tirar foto com a Margarida, que é a personagem favorita dela. E lá fomos nós, porque é raro a Ellerim pedir pra tirar foto com personagem. Ficamos uns minutos na fila, e quase na nossa vez a Margarida saiu para “retocar a maquiagem”. Mas foi super rápido, e logo tiramos a foto da Ellerim e sua melhor amiga. 
Como estávamos ali, já fomos pra estação pegar o trenzinho, que todos amam! Mas não é que a primeira estação, na terra do Mickey, estava fechada! Eu não sabia que só abria às dez. fomos então até a próxima estação, na Terra da Fronteira. 

E quando chegamos lá, mais uma surpresa! Tinha um homem vestido como se fosse da limpeza, com um balde e uma vassoura. Daí ele molhou a vassoura na água e começou a pintar personagens no chão. Nossa, o efeito foi lindo, o desenho era perfeito. Depois ele entregava a vassoura para as crianças pintarem as orelhas. A Ellerim amou, não queria mais sair dali. Nossa, quanta gente talentosa tem lá. 
Aproveitamos que era bem na frente de um quiosque e já tomamos café e comemos um Pretzel delicioso. Eu e o Mauro fomos na Big Thunder Mountain Railroad. Enquanto isso, a Rô ficou com as meninas no parquinho do Splash Mountain (uma casinha com escorregador). 

Nós resolvemos pegar o trenzinho de novo e voltar para a Terra do Mickey. Acho que fomos os primeiros a chegar! Estava tudo vazio. Isso foi bem legal, pois normalmente a gente só pode passar vendo as casas do Mickey e da Minnie numa fila, sempre cheio de gente. Mas assim as meninas puderam brincar mesmo, principalmente na casa da Minnie, que a cozinha é interativa. 


Em seguida já fomos tirar fotos com as princesas, e a Mannu também foi pra fila das fadas, enquanto a gente esperou no parquinho lá fora, aliás, um parquinho perfeito pra idade da Ellerim. Acho que nessa idade as crianças gostam mais dos parquinhos do que das atrações, porque elas têm muita energia pra gastar. Também fomos duas vezes na The Barnstormer at Goofy’s Wiseacre Farm, e eu e a Ellerim fomos no primeiro carrinho. Ela achou o máximo, e queria também brincar no barco do Donald, mas o clima não tava pra tanto (é um parquinho molhado). 


Nisso já estava todo mundo com fome. Era cedo, mas ninguém tomou café direito, então ligamos pra mãe, e nos encontramos no Pinocchio Village Haus. Eu adoro esse restaurante. Nós sempre pegamos uma mesa ao lado do vidro, porque é um barato ficar vendo o Small World, e sempre tem um pessoal que abana dos barquinhos, e a Ellerim adora. E é um ótimo restaurante de Quick Service do dinning plan. 

Terminamos de almoçar ainda bem antes do meio dia, e fomos correndo fazer as outras atrações da Terra da Fantasia nos nossos últimos minutos de parque vazio. Fizemos o Peter Pan, que é o meu favorito (adoro sobrevoar Londres iluminada, e achei a atração mais legal ainda depois de ver como ela foi planejada no “One Men’s Dream” no Hollywood Studios). 

Depois fomos no Pooh, que nessa época ainda estava em reforma, com tapumes por fora. Mas não tinha fila nenhuma. 

Resolvemos então ir no Carrossel do Progresso, e não é que a Ellerim e o Mauro dormiram! Tudo bem, não dá pra culpar eles, ainda mais o Mauro, que já tinha ido no outro dia. Mas eu aproveitei e tirei várias fotos sem flash, e ficaram bem legais. Sei que muita gente acha essa atração um tédio, mas quando eu assisti a primeira vez em 1984 foi realmente impressionante. Pra gostar, a gente tem que pensar nessa atração em perspectiva, é a atração mais antiga de toda Disney (é como assistir um filme clássico). Eu achei uma pena eles terem trocado a música dessa atração (sabe, aquela… Now is the time, now is the best time. Now is the best time of your life. Life is a prize, live every minute. Open your eyes and watch how you win it!), pensei: como eles podem ter trocado uma música tão tradicional?!?!?! Então, há alguns meses escutei num podcast do WDWToday eles explicando a polêmica. Mal sabia eu que a música nova é na verdade a música original, da época em que a atração estava na Califórnia – a There’s a Great Big Beautiful Tomorrow. A música que eu achava que era a tradicional foi colocada quando a atração veio para Florida. Então, quando voltaram para a música da Califórnia, os fãs originais ficaram exultantes, mas os novos fãs, da Florida, ficaram indignados! Rrsrsrsrs não tem como agradar todo mundo mesmo né! 

Enfim, como já estava na hora da Parada, fomos direto para a Main Street, e eu tive que acordar a Ellerim, porque ela ainda estava ferrada no sono, deitada no carrinho. A parada foi linda como sempre, mas a Ellerim tava meio banza de sono, ela só despertou mesmo no final. Então, fomos tomar um café na Bakery da Main Street, sempre uma parada obrigatória. Mas por incrível que pareça, cada um ficou com vontade de ir ao banheiro só quando o outro voltava pra mesa, e entre todo mundo ir e voltar, ficamos mais de uma hora ali! E eu não sei o que aconteceu nesse dia, se era o calor ou o quê, mas tava todo mundo mau humorado, principalmente a mãe e o Mauro. Eu fiquei sem paciência com os dois, e também fui ao banheiro, e na volta fiquei uns 15 minutos passeando pela Main Street, para não me deixar afetar, afinal, como é que alguém consegue ficar mau humorado no lugar mais maravilhoso do planeta. Se for pra ficar mau humorado que seja em real, em dólar não dá né! Decidi que não ia mais falar com os dois. Bom, viajar em grupo e com crianças é assim… 

Esse era o segundo dia de Magic Kingdom, e ainda teríamos mais um. Então, eu resolvi ir passear um pouco de Monorail. Era hora de se separar, porque de noite eu e o Mauro iríamos jantar no Boardwalk com a Rafaela e o Paulo, e a Mãe e as meninas iriam jantar no Chef Mickeys, e iriam ficar no parque até a hora do jantar (elas só conseguiram o Chef Mickey’s para dez da noite!).
Então, eu e o Mauro saímos do parque, e fomos passear de Monorail. Primeiro fizemos uma volta completa, e ele começou a ficar mais tranquilo. Resolvemos então parar no Polynesian para conhecer, já que nessa viagem eu queria fazer um tour pelos hotéis da Disney. Eu fiquei encantada com o hotel, muito mais bonito do que nas fotos. Todo tematizado, tudo muito chique, mas ao mesmo tempo bem à vontade. A praia é linda, com vários barcos para alugar e cadeiras para descansar. A piscina é super divertida, e tem tobogã. A vista então, maravilhosa. Tem um restaurante Quick Service, e já comemos um snack com nosso dining plan e tomamos um café. Foi muito gostoso. O Mauro até achou uma máquina de moedinhas! 

Em seguida, pegamos o Monorail de novo, e paramos no Grand Floridian. Gente, esse hotel é um espetáculo à parte! É um dos hotéis mais lindos que já vi. O atendimento é impecável, e ninguém pergunta se você é hóspede ou não. Sempre tem música ao vivo no saguão, de uma banda no 2º andar, na frente do bar, ou no piano de cauda na parte central do Lobby, com tapetes persas inacreditáveis. E as escadarias, os lustres de cristais, o mármore decorado no chão, flores, flores e mais flores… nossa, o lugar é tão lindo que não tem nem como descrever. 

Acho que naqueles dias infernais de quente no MK a gente deveria sempre fazer isso, dar uma paradinha depois do almoço, pegar o Monorail e passar uma meia horinha naquele oásis, recuperando as energias. É Muito simples de fazer, o Monorail fica do lado daquele que vai para o estacionamento, e é só entrar, e descer na parada do hotel que quiser, ou até ir de barquinho. 


Passeamos um pouco e logo voltamos para o Magic Kingdom pra pegar o ônibus para o Hotel, tomar um banho e se arrumar para o jantar. Meia hora depois chegamos no Pop. 

Só quando a gente estava no quarto se arrumando, em cima da hora, é que o Mauro perguntou onde ele tinha deixado a chave do carro… não é que ele esqueceu dentro da mochila da Ellerim, que a gente deixou com a mãe no parque! Ainda bem que o Boardwalk fica muito perto do hotel, e resolvemos ir de taxi mesmo, mas o prejuízo foi pequeno, a corrida saiu só $ 7. 

Já estávamos atrasados, e quando chegamos na frente do restaurante da ESPN o pessoal já estava esperando a gente, a Rafaela, o Paulo, a Thais e o Fabiano. Já passavam das oito, e tava todo mundo morrendo de fome. Como todos tinham o dining plan eu tinha dito pra gente jantar num restaurante Quick Service de algum dos hotéis. Antes de viajar, eu pesquisei na net se todos os hotéis da Disney tinham restaurante Quick Service, e todos que olhei tinham. Os únicos que não pesquisei foram os do Boardwalk, mas se todos os outros tinham, esse também iriam ter né… ledo engano… fomos caminhando de hotel em hotel, e nenhum deles tem Quick Service para o jantar… pelo menos conhecemos os hotéis, mas quando se está roxo de fome, a gente não consegue prestar atenção em muita coisa né. Bom, como estávamos já na frente do Yatch Club Resort, resolvemos atravessar a ponte e ir até o Swan (ou Hotel do Ganso, como diz a minha mãe), que tem dois restaurantes, o Garden Grove (aquele que tem uma árvore no meio) e um japonês. Chegando lá, todo mundo decidiu ir ao Garden Grove, porque o Pateta estava lá (era para ter o Pluto também, mas ele tinha acabado de ir dormir). Foi uma ótima decisão. Era noite Mediterrânea, e a comida estava excelente, e a gente conversou muito, e riu muito também. Foi super divertido, e a companhia excelente. Essa foi a segunda viagem que encontramos a Rafaela e o Paulo sem combinar (a primeira foi em Buenos Aires, ficamos em hotéis vizinhos, e dessa vez ficamos no mesmo hotel). A mesa de sobremesas também estava maravilhosa. 


Saindo dali a gente ouviu uma barulheira imensa… nossa, não é que o restaurante japonês tinha Karaokê, e o pessoal tava prá lá de Bagdá, fazendo o a maior barulheira! Ainda bem que a gente escolheu o outro… 

Nós estávamos sem carro, mas eles estavam num carro bem grandão, e deram uma carona pra gente até o hotel. No final, foi um dia bem movimentado, e bem divertido também. Nem sei se as meninas já tinham chegado, pois nesse dia a Ellerim ficou no quarto delas. No outro dia a mãe falou que se arrependeu de ir ao Chef Mickey’s, pois foi muito cansativo esperar até às dez, e elas estavam mortas na hora do jantar, e não conseguiram aproveitar. Acho que quando tem programa assim tarde com criança é fundamental dar uma paradinha no hotel na metade do dia. 

Quando eu fui dormir eu pensei… como o tempo passa rápido na Disney, a viagem de 22 dias, que parecia muuuuito tempo, já tá quase chegando ao fim… 

Dia 14/11 (Domingo) – Magic Kingdom – Horas Mágicas

Bom, nessa hora a gente se sente importante, porque todo mundo começa a ir embora do parque, e nós temos ainda 3 horas para aproveitar! A mãe quis passear um pouco sozinha, mas acabou ficando com a Ellerim pra gente ir nos brinquedos mais radicais, e combinamos encontro às onze na frente do castelo. Eu, o Mauro, a Rô e a Manu fomos direto pra Space Moutain, mas na hora de entrar o Mauro amarelou… eu não entendi, porque ele já tinha ido outra vez, mas não teve santo que fizesse ele entrar. Ficamos um pouco na entrada discutindo o entra-não-entra, e ele falou que definitivamente iria ficar esperando na frente, e eu disse pra ele pelo menos ir passear um pouco, e depois a gente se encontrava, e ele disse que iria ficar ali esperando e pronto. Tá, desisti e entramos no brinquedo. Eu sei que essa montanha russa não é radical, mas eu acho o máximo mesmo assim, toda a tematização, a estação espacial, tudo muito legal, e agora com alguns efeitos sonoros novos. Foi bem divertido, e a Manu amou (bem radical essa menina, adorou todas as montanhas russas, é das minhas!). A saída do brinquedo é mais legal ainda, a esteira rolante e a gente chegando em outro planeta. Eu não me conformei de o Mauro não ter ido (mas ele acabou indo outro dia). Quando a gente saiu, cadê o Mauro? Bom, ele literalmente sumiu, não tava ali fora, nem na loja, nem em lugar nenhum e não respondia o Walk Talk. Eu fiquei chamando ele sem parar, até a mãe atender e me mandar calar a boca que ela tava no Carrossel do Progresso e eu tava atrapalhando todo mundo. Bom, resolvi que não ia sair dali sem o Mauro (achei que ele tinha tido uma dor de barriga e tava preso no banheiro, e a gente tem que ser solidária nessas horas né). Falei pra Rô ir com a Manu nas outras atrações. Eu procurei, procurei, procurei e nada. Uns quarenta minutos depois eu fui pra frente do castelo, e então o Mauro chama pelo Walk Talk… ele tava tomando um sorvete sentado na sorveteria da Main Street. Eu só olhei e perguntei o que tinha acontecido, e ele disse “nada, só resolvi passear como você disse” e pensou que quando eu não visse ele na saída iria imaginar que ele tinha feito isso, já que a ideia foi minha, mas ele não tinha visto que o Walk Talk tava desligado… bom, depois que ele falou pareceu meio óbvio né, mas na hora eu não pensei nisso, e perdi um tempão… paciência né, essas coisas sempre acontecem em viagens… então ficamos passeando pelas lojinhas (nós dois gostamos de passear pelas lojinhas) conversamos com a mãe pelo Walk Talk de novo (ela tava com a Ellerim na Fantasyland) e ficamos esperando até às onze o resto do pessoal. A Ellerim voltou com o balão do Mickey furado e sem uma Minnie pequena que ela tinha comprado com o dinheiro dela. Sei que eles repõem o balão quando a gente pede, mas resolvi não pedir (acho que ela tem que aprender que vai ficar sem as coisas quando não cuidar). Mas a mãe se sentiu responsável pela Minnie, e no outro dia foi no achados e perdidos. Eles não encontraram, mas deram um vale para pegar outra igual em qualquer loja. Incrível isso né. Tiramos mais algumas fotos e finalmente fomos pra fila do ônibus, para voltar pra casa.  


Dia 14/11 (Domingo) – Magic Kingdom – Wishes


Conseguimos pegar um lugar bom na frente do restaurante Casey’s Corner. Bom, sem palavras para descrever esse show de fogos… a Ellerim tava ansiosa para ver a Sininho voando iluminada, e quando apareceu ela ficou eufórica, e me agarrou no pescoço e ficou gritando  “olha mãe a Sininho iluminada, a Sininho iluminada, olha mãe”. E ficamos nós três sentados juntos assistindo aqueles fogos maravilhosos, a música linda, tudo tão deslumbrante e emocionante, e foi um momento sublime. 

Sabe, eu sou uma pessoa que não chora nunca, não chorei nem no final do Titanic. Mas quando a fada do Pinocchio começa a falar “When stars are born, they possess a gift or two. One of them is this: they have the power to make a wish come true.” Eu me arrepio toda, e então ouvimos os fogos de artifício no fundo e aquela vozinha de menina cantando “Starlight, Starbright, The first star I see tonight; I wish I may, I wish I might, Have the wish, I wish tonight” nossa… nessa hora não tem como evitar, eu já estou literalmente chorando, e continuo chorando ouvindo “When you wish upon a star, makes no difference who you are, anything your heart desires will come to you…” e então o grilo falante conta como ele passou a acreditar que as coisas mais mágicas podem acontecer, e que “All Started with a wish”… e ouvimos aquele tilintar mágico de pixie dust, e aparece a Sininho toda iluminada na torre mais alta do castelo… UAU… UAU… Parece que toda a emoção de todo  preparo, todo planejamento, cada dia de espera, de stress, de ansiedade, de sonho, tudo, tudo é recompensado naquele momento. Finalmente, estamos ali de verdade, finalmente o sonho se torna realidade… bom, isso é tudo que consigo descrever… depois, é só aproveitar o show, música, fogos, fogos, fogos, o castelo mudando de cor, vermelho, azul, laranja, rosa, e então milhares de luzinhas brancas que parecem cobrir o castelo de diamantes, e um final glorioso…


acho que eu podia terminar esse dia aqui, porque foi um final perfeito. Mas a verdade é que tínhamos ainda horas mágicas, e muito mais pra fazer!


Dia 14/11 (Domingo) – Magic Kingdom

Depois do almoço a Manu quis tirar a fantasia da Yasmim, que tava um pouco desconfortável (esta fantasia é feita de um tecido fininho que pinica, e tem lantejoulas no meio das pernas, então quando a criança anda as lantejoulas ficam puxando fios da outra perna, e logo a calça tava todinha desfiada). Já a Ellerim adorou a fantasia da Cinderella, e me disse que não queria tirar nem pra dormir. Bom, saindo do Castelo eu descobri porque a gente deve dar ouvidos às vozes mais experientes… Magic Kingdom no domingo em dia de horas mágicas, só pra louco mesmo… tava tudo muuuuito lotado. Então, eu queria ir no Philarmagic, que era uma das únicas coisas quase sem fila, mas a Ellerim queria ir no Small World, que tava com mais de meia hora de fila (vai contra meus princípios ficar mais do que 10 minutos de fila dessa atração), mas a mãe ficou me torturando “tadinha da tua filha, é só meia horinha blá blá blá” e no final eu achei que valia mais ficar meia hora na fila do que o dia inteiro ouvindo, então fomos pra lá… mas no caminho eu resolvi ir no banheiro, e disse eu alcançava eles depois. Quando eu voltei vi que a fila tava imensa mesmo (saindo pra fora) e não encontrei ninguém, então fui pedindo licença e ultrapassando todo mundo, me apertando pra passar pelas pessoas. Fiquei uns 5 minutos repetindo excuse me please, excuse me please, excuse me please, excuse me please seguindo a fila e nada deles, e eu continuei, atrapalhando todo mundo até conseguir chegar na frente, e nada do pessoal, e pensei, puts, e eles foram sem mim… liguei pra mãe do Walk Talk e perguntei “onde vocês tão???” “Bem aqui, na frente da fila…” “Não pode mãe, eu tô aqui na frente do barquinho, e não tô vendo vocês…” “Que barquinho?” “Como que barquinho mãe, o barquinho do Small World!!!” “Ah, a gente mudou de idéia e veio pro filminho”…………….. acho que não consegui nem responder na hora…. como?????? como???? Por que não me avisaram????? Não acredito… e lá sai a Karen com a maior cara de tacho o caminho inteiro de volta… excuse me please, excuse me please, excuse me please, excuse me please. Saí dali correndo, e fui pro Philarmagic pra tentar entrar com eles, mas a moça na entrada falou que as portas já tinham fechado, então fui tomar um sorvete do Mickey. Uns 10 minutos depois o Mauro me liga no Walk Talk dizendo que eu joguei uma praga, porque deu um problema técnico e mandaram eles embora… mas eu juro que não joguei praga nenhuma não, foi puro azar deles! Bom, depois disso só restava uma coisa a fazer… ir pra fila do Small World, claro! Mas dessa vez tive que ficar lá no final da fila mesmo… meu consolo é que a Ellerim realmente amou essa atração, e fala até hoje. 


Fomos então umas três vezes no Carrossel, que era a única atração sem fila (por que será?). Eu brinco, mas na verdade não sei mesmo, porque eu acho o Carrossel muito mais legal que o Dumbo, que tinha uma fila quilométrica… 

Não nos preocupamos em fazer muita coisa nessa hora, porque o parque estava insano de cheio, porque teríamos as horas mágicas e também porque era apenas o primeiro de três dias de Magic Kingdom. Não consegui encontrar a entrada para a Mickey’s Toontown por causa das reformas e então fomos para a Tomorrowland jantar no Cosmic Ray’s Starlight Cafe, e era noite de show com o Sonny Eclipse (tá bom, é verdade que esse show está sempre em cartaz…). Eu sempre vou nesse restaurante, porque foi ali que fiz minha primeira refeição na Disney na nossa primeira viagem com meu pai, e ele adorava esse restaurante. Mas na época ele parecia um pouco mais claro, e os shows realmente eram ao vivo, com uma banda, em alguns horários apenas. O palco subia, e a banda surgia do chão, e era muito legal. Agora é sempre show com o Sonny Eclipse, um animatronic que canta e conversa com o público, e é bem legalzinho. 


É um restaurante Quick Service com 3 baias, com cardápios diferentes. Tem também um buffet gratuito com saladas e molhos para colocar sobre a comida. Saímos dali direto pra frente do castelo, pra ver o show de fogos. 

Dia 14/11 (Domingo) – Magic Kingdom – Royal Table

Depois do café fomos para o quarto fazer o “Bibbidi Bobbidi Mamãe”, ou seja, transformar a Ellerim em Cinderella para o almoço no Royal Table (o restaurante dentro do Castelo da Cinderella). Foi suuuuuper divertido! Arrumei a fantasia, os acessórios e os enfeites de cabelo em cima da cama, e fizemos a “transformação” em princesa, e ela AMOU. Ela só se olhou no espelho no final e ficou se achando (e ficou linda mesmo). Eu já tinha comprado um sapatinho de paetês prateados na Target, e compramos no Epcot vestido, coroa, bolsa e varinha. E a Manu também ficou linda de Yasmim. As duas se divertiram um monte, e fomos então para o parque. 
Pegamos o ônibus para o Epcot, que é bem mais perto do hotel, para então pegar o Monorail para o Magic Kingdom. Quando estávamos chegando na frente da entrada do Epcot um cast member bateu continência e falou bem alto “Pincess entering the Park”. Foi muito legal… são essas coisas que fazem da Disney um lugar de sonhos. Pegamos o Monorail para o Centro de Transportes, e lá pegamos o Ferry para o Magic Kingdom, e todas aquelas emoções voltam à nossa memória enquanto atravessamos o lago.
 
Já era bem tarde, mas tivemos tempo de passear pela Main Street e assistir um pouco o show na frente do castelo. Eu e a Rô fomos comprar balões pras meninas, e a Ellerim quis aquele transparente por fora, com um Mickey roxo por dentro. Eu queria o cor-de-rosa, então eu comprei dois, um roxo e um rosa. Pois quando ela viu ela tirou o rosa da minha mão e foi até o vendedor devolver, e ainda me deu uma bronca… como eu disse, não sei quem puxou… O Balão é caro ($10), mas ela se divertiu tanto, mas tanto com esse balão que valeu cada centavo. Um fotógrafo do Photopass tirou umas 30 fotos nossas na frente do castelo (ainda bem que a gente já tinha comprado antecipadamente o Photopass por $ 99, porque depois dessas fotos eu não iria resistir mesmo, e ia acabar pagando os $ 149). 
 
Quando olhei o relógio já tava na hora do nosso almoço. Fomos correndo para o Castelo, na entrada em frente ao Carrossel, onde tem um balcão de atendimento. Passamos o nome da reserva (já tava tudo pago, pois só aceitam reserva com pagamento antecipado, inclusive da gorjeta). Essa foi a primeira vez que entrei no Castelo da Cinderella, e acho que é um sonho de criança de toda menina… Entramos primeiro numa salinha que tem um banco pra gente sentar e esperar pra tirar a foto com a Cinderella. Eles chamam uma criança por vez pra tirar a foto que faz parte do pacote, cada mesa tem direito a 2 fotos grandes e 2 fotos pequenas, que podem ser todas iguais ou diferentes. Quando chegou nossa vez a Ellerim ficou suuuuper tímida, e não quis chegar perto da Cinderella de jeito nenhum (ela até tentou, coitada, mas a Ellerim ficou apavorada). Eu então peguei ela no colo, e tiramos a foto juntas. Não fiquei frustrada com isso, pois já sabia que ela estava nessa fase, de não querer chegar perto de Papai Noel e personagens, e já aprendi que é melhor não forçar (mas isso mudou completamente antes do final da viagem, aos poucos a timidez simplesmente desapareceu, o que fez valer cada centavo que gastamos na viagem).  Depois a Manu tirou a foto, e subimos a escada espiral para chegar ao restaurante.
Eu achava que era igual aos outros restaurantes, que as pessoas vão chegando e saindo a toda hora. Mas ali é diferente. Eles lotam o restaurante, todos fazem a refeição, tem algumas brincadeirinhas no meio, e depois eles esvaziam o restaurante inteiro antes de entrar a próxima turma. Nós fomos uns dos últimos a chegar, e acabamos ficando com uma mesa bem na passagem da cozinha, e isso atrapalhou um pouco as fotos, pois as princesas paravam bem no local onde os garçons ficavam passando. Então, acho que vale a pena chegar meia hora antes. A nossa garçonete era eficiente, mas não muito simpática. A comida era gostosa. Tinha uma entrada de frios deliciosa, e eu comi peixe, pra variar um pouquinho, e tinha um cardápio infantil também.
 
Durante o almoço as meninas ganharam uma estrelinha e uma varinha da fada madrinha, e ela fez uma brincadeira, mas não consegui ver direito porque bem na hora eu tava traduzindo o cardápio da sobremesa pra todo mundo, e quando fui prestar atenção a brincadeira já tinha acabado. Passaram na mesa pra tirar  foto a Braca de Neve (que era um nojo de antipática), a Bela Adormecia, a Bela (com a roupa de camponesa) e a Pequena Sereia (essas foram um amor, principalmente a Aurora). Entregaram então a nossa foto (é uma pasta, que a gente abre e de uma lado tem uma foto só do castelo, e do outro a foto com a Cinderella). 
A gente tinha encomendado um bolo pra comemorar o aniversário da Manu, por $ 29 (o mesmo bolo sai por $ 21 nos outros restaurantes). Mas a garçonete veio falar comigo dizendo que não valia a pena, porque a gente não ia conseguir comer e nem ficar carregando o resto do dia, e que ela traria de graça um cupcake de aniversário. E isso foi bem legal. Cantamos os parabéns, e a Manu adorou. Ela até cortou o bolo, e a primeira fatia foi para a Rô e a segunda para a Ellerim, uma fofa. 
Quando terminamos não tinha mais ninguém no restaurante, e consegui ficar uns minutos observando os detalhes, e foi quando a Ellerim finalmente se soltou. Mas então tivemos que ir embora para a próxima turma entrar. Foi uma experiência legal, mas foi tudo muito corrido, a garçonete ficava apressando a gente o tempo inteiro, pra fazer o pedido, pra terminar de comer, pra escolher logo a sobremesa, e as fotos com as princesas também, tudo cronometrado. Mas tudo bem, eu não tinha outra expectativa, então foi tudo ótimo, e o melhor é que a Ellerim estava muito feliz, e foi exatamente no final desse almoço que ela começou a perder a timidez, depois de ver a foto dela com a Cinderella. Acho que esse momento (e todo esse dia de princesa) foi muito especial pra ela. 
Top